Economia

Angola recebeu mais de 5 mil milhões de dólares em investimentos nos últimos 5 anos

joaquimjose
Jul 20, 2023

Nos últimos cinco anos Angola recebeu de investimentos americanos de companhias privadas, mais de cinco mil milhões de dólares, revelou hoje, o embaixador dos Estados Unidos da América, Tulinabo Mushingi.

Segundo a Angop, Tulinabo Mushingi esteve à visita de trabalho de um dia à Huíla, para avaliar projectos ligados às áreas de intercâmbio e da educação financiados pelo seu Governo, o embaixador foi recebido pelo governador Nuno Mahapi, esta manhã.

No encontro, assinalou que nos últimos cinco anos, com a ajuda de companhias privadas, os EUA mobilizou mais de cinco mil milhões de dólares em investimentos, no quadro da sua estratégia de promover o investimento privado americano em Angola.

A refinaria do Soyo (Zaire), conforme o embaixador, é um investimento americano de 3,1 mil milhões de dólares.

Apontou ainda a Sun África que está nas energias renováveis, que investe 1,9 mil milhões e a Africel, que em um ano de actividade, segundo o responsável, tornou-se na segunda maior operadora de telemóveis em Angola, ao investir 300 milhões.

Tulinabo Mushingi sublinha que as características desses investimentos se fixam em quatro pilares, como a transferência de tecnologia (know-how, o saber fazer), na criação de empregos, na transparência e no uso de matéria-prima local.

Lembrou que a cooperação com Angola, embora muitos não saibam, data de 1942 quando o seu país financiou a construção do Porto de Cabinda, data em que estão em Angola as companhias petrolíferas americanas.

“Embora as mais conhecidas estejam na área de petróleo, novas companhias chegaram ao país e outras estão a vir”, avisou o embaixador.

Na vertente política, Tulinabo Mushingi disse que os EUA vai ajudar Angola a implementar as eleições autárquicas, a manter a paz e a apoiar à área da segurança e estabilidade, capacitando o seu parceiro (Angola), para que possa proteger o seu povo contra ameaças de todo tipo, desde as pandemias, o terrorismo e a instabilidade política.

Se o país tem estabilidade, disse o diplomata, as companhias terão mais confiança em vir investir, por isso o seu Governo insiste na boa governação, aconselhando os parceiros a usarem bem os bens públicos, trabalhando pelo povo, respeitando os Direitos Humanos e realizarem eleições livres e transparentes.

“Não podemos impor às companhias privadas a investir em Angola, o que podemos é lhes dizer que há um melhor clima de negócio e é nisso que o Governo tem de trabalhar para atrair investidores”, assinalou.

Em Angola há um ano e 4 meses, o embaixador americano já esteve em seis províncias e diz-se “feliz com a energia e o dinamismo do governador da Huíla”, de quem identificou a mesma visão e muitas áreas de convergência em que podem trabalhar juntos.

Por sua vez, o governador da Huíla, Nuno Mahapi, na sua alocução disse que quer aprender continuamente e que a província dará oportunidades.

“Queremos uma Huíla de verdade e é através da partilha e do abrir das portas para todos que isso será possível, sobretudo a atracção de investimentos que a possam servir”, disse.

O programa do embaixador prevê uma aula magna do ISCED-Huíla, entrega de certificados a crianças que frequentaram o curso de língua inglesa, visita a locais de interesse cultural e encontro com os jornalistas.