Economia

APETIC considera que “sem financiamento pequenas e médias empresas” serão “consideradas instituições falidas”

joaquimjose
Jul 20, 2023

A vice-presidente da Associação Angolana de Tecnologias de Informação e Comunicação de Angola (APETIC), informou esta quarta-feira que a “taxa de sobrevivência das pequenas e médias empresas atingiram 40%”, considerando que “sem financiamento pequenas e médias empresas” serão “consideradas instituições falidas”.

Segundo a vice-presidente da Associação Angolana de Tecnologias de Informação e Comunicação de Angola, Elizete Macanga citado pelo Jornal, a taxa de sobrevivência das pequenas e médias empresas registadas no mercado das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) ronda em cerca de 40 por cento, resultante da falta de conhecimento dos promotores, gestores e empreendedores, que almejam ingressar no segmento.

Sem financiamento às Micro, Pequenas e Médias Empresas, as mesmas vão continuar a estar estagnadas, com a possibilidade de serem consideradas como instituições falidas”, disse na Feira Internacional de Luanda, durante a apresentação do tema “As TIC como meio de alavanca para a diversificação da economia nas Micro, Pequenas e Médias Empresas”,

Na ocasião, fez saber que os gestores devem trabalhar para alavancarem as suas empresas, apostando no conhecimento e no saber fazer, bem como traçar planos estratégicos de curto, médio e longo prazo que garantam conteúdos fiáveis para a consistência das organizações.

Conforme o Jornal de Angola, a APETIC tem como missão o acompanhamento e elaboração do plano, escopo e objecto dos projectos que são considerados como uma mais-valia para o mercado nacional, remetidos ao Governo para a implementação dos mesmos.

Referiu que os gestores devem abraçar a política económica proposta pelo Governo, através do Banco de Desenvolvimento Angolano (BDA), para que as Pequenas e Médias empresas possam ter acesso ao crédito, olhando no que o mercado já oferece.

Actualmente, a associação presta o apoio a 54 startups que depois de orientadas são encaminhadas para o Ministério tutelar, incluindo os ministérios da Economia e Planeamento, e o das Finanças para que as mesmas sejam financiadas e dêem o contributo naquilo que sabem fazer.