Actualidade

Condições de trabalho em Caculo Cabaça registam melhorias

manuelsumbo
Ago 03, 2022

As condições de trabalho dos funcionários das obras de construção da Barragem Hidroeléctrica de Caculo Cabaça, província do Cuanza Norte, registaram melhorias, em função da implementação do novo acordo entre a Comissão Sindical e a construtora do empreendimento.

Entre as melhorias constam o aumento salarial, o pagamento de subsídios, a construção e apetrechamento das infra-estruturas de acomodação, como refeitórios, balneários e aposentos.

Essa situação, resulta do acordo e memorando de entendimento, firmado em Junho pela empresa construtora da Hidroelétrica,  China Gezhouba Group Company Limited (CGGGC) e a Comissão Sindical, fruto das reivindicações dos funcionários, para a melhoria das condições de trabalho.

O director geral do projecto, Chen Yonggang, também manifestou a disposição da empresa em continuar a cumprir com o acordo, para que haja harmonia nas relações laborais e para a melhoria das condições sociais e de trabalho, reconhecendo ser um direito dos funcionários.

O governador da província,  Adriano Mendes de Carvalho,  manifestou-se satisfeito com as melhorias registadas e  garantiu que vai  continuar a trabalhar com a empresa construtora para a contínua resolução dos problemas dos funcionários.

Actualmente, estão a trabalhar nas obras de construção do empreendimento 952 funcionários nacionais e que até o ano de 2023 prevê-se aumentar para 270 trabalhadores.

As obras de construção do Aproveitamento Hidroeléctrico de Caculo Cabaça, iniciadas em 2017, têm um grau de execução física global de 12 por cento. Os técnicos estão a trabalhar na construção dos túneis de desvio do rio e dos estaleiros.

O projecto hidroeléctrico de Caculo Cabaça, lançado em 2017, vai produzir 2.172 Megawatts (MW). De acordo com o cronograma de execução  do projecto, a primeira máquina entra em exploração comercial em 2024.

Caculo Cabaça terá cinco turbinas, quatro das quais na central principal, com capacidade nominal de 530 MW cada, e uma na central ecológica, com capacidade de 52 MW.

Angop