Cultura

Eva Rap Diva faz reflexão após crianças manifestarem-se em Luanda para exigirem carteiras nas salas de aulas

joaquimjose
Out 17, 2022

A ‘rapper’ Eva Rap Diva fez a reflexão nas redes sociais, após partilhar uma notícia de que: “Mais de 300 crianças de uma escola na Estalagem manifestaram-se para exigirem do Estado reposição de carteiras – Polícia dispersou os pequenos com tiros e deteve o professor” que segundo a artista, questionou, sobre “o que dizer sobre isto?”.

Por: Joaquim José

Eva Rap Diva fez a publicação na sua conta oficial do Instagram onde refletiu sobre a atitude da policia para com as “crianças que caminhavam em direção à administração local para manifestar o seu descontentamento” e do professor que ficou detido por se ‘solidarizar’ com os alunos do complexo escolar nº 5118.

“O que dizer sobre isto?”, começou por dizer no texto, publica do na sexta-feira, (14) no seu Instagram. “Crianças que se manifestaram em Luanda, capital de Angola, para exigir cadeiras e mesas nas salas de aula, um professor preso porque se solidarizou com os alunos e uma polícia nacional que disparou com armas de fogo para dispersar a marcha das crianças que caminhavam em direção á administração local para manifestar o seu descontentamento”, refletiu na legenda do post.

Por outro lado, quem também se juntou a este corrente foi Yola Araújo. A cantora mostrou-se descontente ao partilhar no seu Instagram o vídeo, que na qual aparece o professor junto das crianças em marcha durante a manifestação, “não é essa Angola que queremos”, apelou.

“Ao ser verdade que este professor foi preso e espancado em frente aos seus alunos por manifestar junto dos mesmos a procura de melhores condições para os seus alunos, é uma vergonha. Sendo que não se admite que num país como o nosso em pleno século 21 que nas escolas públicas ainda se usem latas e paus para se assistir às aulas, condições essas desumanas para o aprendizado”, escreveu na legenda do vídeo.

Não é essa Angola que queremos”, apelou.

De acordo com informações veiculadas hoje pelo Novo Jornal, o professor encarregado pela marcha de 300 alunos do complexo escolar nº 5118 (ex-escola 5008), na estalagem, município de Viana, já encontra-se em liberdade sob termo de identidade e resistência.