Cultura

Exclusivo: Malef investe 7 milhões de Kwanzas em filme “Soba e os 4 Gêmeos”, produzido em apenas 10 dias

joaquimjose
Nov 21, 2022

A primeira longa-metragem “Soba e os 4 Gêmeos”, de Malef que se estreia no cinema, é uma proposta para Netflix França, um filme que gastou cerca de 7 milhões de Kwanzas e foi produzido em apenas 10 dias, revelou o realizador em entrevista ao WI-AO.

Por: Joaquim José

Imagem por: Joaquim José

Produzido pela Maleffilmz, o filme estreia no dia 10 de dezembro, no evento a ser realizado, na província do Cuando Cubango. De acordo com o videomaker angolano, Malef, a longa-metragem gravada também em Luanda é uma proposta para a Netflix França.

Este filme é um trampolim para Netflix financiar o projecto que tenho de fazer 18 filmes, nas 18 províncias de Angola, no espaço de 5 anos”, disse, acrescentando que “o filme durou 10 dias e o orçamento foi de 7 milhões de kwanzas”.

“Soba e os 4 Gêmeos” contou com a participação de mais de 60 actores, um filme com duração de 1h 20 minutos, que retrata a vida de um soba que impedia o nascimento de quatro gémeos numa aldeia.

A criação da longa-metragem começou, depois de Malef conhecer, na rua, quatro gêmeos durante a gravação de um vídeo, do Dj Lutonda.

“Eles vieram falar comigo, para fazer um vídeoclip no Cuando Cubango, eu aceitei, mas achei melhor trabalhar com eles, não na música, mas sim colocá-los como actores, foi daí que tive a ideia, porque a imagem deles, venderia melhor do que o conteúdo das músicas deles”, disse o realizador Malef.

Contando apenas com o seu bolso, Malef junto da sua equipa de trabalho embarcaram para uma viagem de carro para Cuando Cubango, “Tirei a minha equipa de Luanda para Cuando Cubango, tivemos apoio com relação a nossa estadia lá, mas do Ministério da Cultura “o apoio que recebi foi a autorização”, contou o cineasta.

A história mostrada no filme, “Soba e os 4 Gêmeos”, considerou o realizador, que estamos presentes a uma lei do retorno, “cá se faz, cá se paga”, o soba colocou uma lei e essa lei voltou contra ele. “Essa é a parte fundamental do filme”, disse, referindo também que, “o filme terá parte dois”.

“A minha ideia é fazer do filme, uma serie, com objectivo de todo mundo que participou possa ganhar algum dinheiro ou mesmo uma formação. Em Angola ainda não existe um registo de actores a fim de se beneficiar do seu talento”, explicou.

O cineasta fez saber também como surgiu o primeiro contacto com Netflix França. “Foi num concurso de novo talentos com objectivo de se juntar com a produtora Netflix, em que foram cerca de 25 participantes, um dos critérios do concurso é que você precisava ser bom “em tudo”, bom cameramen, bom em efeitos especiais, e em cortes, etc”, descreveu.

“Objectivo era apresentar um vídeo onde, eles poderiam ver tudo isso. Na altura eu investi 5 mil euros, e fui para Turquia para gravar um documentário sobre turismo, que une duas cidades, a Turquia e a Grécia, sendo que são dois países que não se entendem, então, coloquei as duas culturas no meu documentário contando uma história com imagens sons. Sendo assim fui um dos seleccionados do concurso”, contou o cineasta.

Malef, que se estreia como cineasta é vídeomaker há 5 anos, já produziu videoclips dos melhores artistas do mercado angolano, entre estes, C4 Pedro, Prodígio, Cage One, Neide Sofia.