Economia

Fábrica de confeitaria de Angola “Candy Factory” com um investimento acima dos 15 mil milhões de kzs

armandomaquengo
Ago 04, 2022
A nova fábrica de confeitaria de açúcar do país, Candy Factory Angola, que recebeu uma visita, nesta quarta-feira 03 de Agosto, do Ministro da Economia e Planeamento, Mário Augusto Caetano João, acompanhado pela Administração da ZEE, da AIPEX e do Inapem, conta com um investimento superior a 15 mil milhões de Kwanzas e prepara-se para arrancar com a produção nas próximas semanas.

Por: Armando Mquengo
A referida fábrica está praticamente pronta para iniciar a produção e fazer chegar as suas marcas e produtos ao público angolano.Com uma capacidade produtiva estimada em 6.700 toneladas por ano, cerca de 15 toneladas por dia (por turno), este projecto, que acredita que Angola será uma referência da confeitaria de açúcar em África, objectiva, nos dois primeiros anos, contratar 150 profissionais, dos quais 90% serão Angolanos, estimando ainda um total de cerca de 350 postos de trabalho directos e indirectos até ao final desse mesmo período.Com estes números de produção, a Candy Factory Angola propõe-se contribuir activamente na promoção da diversificação económica e crescimento industrial. A fábrica pretende, também, produzir para o mercado local e para novos mercados, assumindo um papel relevante no equilíbrio da balança comercial, na medida em que já não será necessária a importação das 15.000 toneladas/ano destes produtos que entram actualmente no mercado, e faz questão de exportar para países limítrofes que terão fácil aceitação dos produtos e marcas que estão a ser desenvolvidos.“A Candy Factory, pretende chegar ao coração dos consumidores, de idades e gostos diferentes, através de marcas diferenciadas, com o intuito de se tornar “O Sorriso + Doce” de Angola. No decorrer da apresentação, Raquel Capitão, Directora de Marketing e Vendas, apresentou as marcas, cujos lançamentos estão para breve e garante que além de divertidas, vibrantes e atrevidas, terão voz activa junto das comunidades com vertentes educativas, pedagógicas e de responsabilidade social, com conteúdos diferenciados, dedicados ao nosso público nacional mais jovem”, assegura a direcção, sublinhando que se trata de “Marcas que prometem vir para ficar e dar que falar”.

Entretanto, o sector responsável pela formação e capacitação multidisciplinar e contínua dos seus quadros, Candy Factory Academy, garantiu acolher regularmente os seus colaboradores e dar formação
técnica e comportamental, em ambiente de Learning Organization.


Nesta conformidade, Raquel Capitão, salientou que, profissionais bem preparados, com uma liderança aspiracional e um enquadramento justo de avaliação e condições de trabalho, dão lugar a pessoas mais
relevantes para a empresa, para o negócio, para si próprios e para as suas famílias e, por conseguinte, para o país.“Precisamos de ter pessoas enquadradas no espírito de missão, comprometidas, orgulhosas e felizes com o que entregam. As pessoas têm de ser chave integrante deste sonho como um todo”, apelou.Vale referir que, a Candy Factory Angola não é o primeiro player no arranque da indústria, mas diz-se o único que está a desenvolver e produzir marcas 100% angolanas, pensadas por Angolanos para os Angolanos. “A comunicação e interação das marcas com o público será dedicada e diferenciada e, nesse sentido, incontestavelmente pioneira”, assegurou.A Candy Factory Angola é uma nova empresa angolana, com uma fábrica situada na Zona Económica
Especial, em Viana – Luanda, que vai arrancar a produção de confeitaria em breve, tendo como principal actividade produzir rebuçados, sambapitos e pastilhas elásticas, de variados sabores.