Politica

Jovens da JMPLA acusados de destruir casas de militantes da UNITA no Huambo

armandomaquengo
Abr 18, 2022

Há sensivelmente quatro meses para a realização das eleições gerais no país, episódios de intolerância política voltam a assombrar a província do Huambo, denuncia o jornalista e activista cívico, Luís de Castro.

De acordo com o jornalista Luís de Castro, desta vez, o facto aconteceu no município do Londuimbali, no último sábado 16 de Abril, por volta das 07 horas, acto alegadamente chefiado pelo administrador comunal.

Segundo o Secretário municipal da UNITA, naquela circunscrição, um grupo de aproximadamente 40 jovens da JMPLA desjalojaram os militantes residentes na sede daquela comuna, tendo destruído todos seus haveres.

Já a Primeira Secretária Provincial da UNITA no Huambo, Navita Ngolo, “o acto de intolerância política foi orquestrado pelo MPLA na comuna da Cumbila, sob chefia do Administrador comunal e do secretário do Partido MPLA”.

Em consequência do acto de terrorismo vivido no local, neste momento, os militantes da UNITA vítimas da barbárie encontram-se refugiados nas matas daquela área.

Ainda de acordo com uma fonte geralmente bem informada, os últimos relatos, três dos “desaparecidos” foram identificados na comuna do Ussoque e outro na sede municipal.

“Procuramos contactar responsáveis ligados ao MPLA no Londuimbali, bem como a nivel Secretariado provincial, no sentido de ouvir a versão dos factos, mas sem sucesso”, assegurou Luís de Castro.

O Londuimbali, vale referir, é um dos municípios da província do Huambo e tem acima de 161 mil habitantes, ocupando uma área de 2 698 km².

Faz fronteira a norte pelo município do Cassongue, a leste pelo município do Bailundo, a sul pelos municípios de Ecunha e Ucuma, e a oeste pelo município de Balombo.

Fonte: Angola24Horas