Actualidade

Manifestantes na Tunísia acusam presidente de “ditadura fracassada”

joaquimjose
Abr 11, 2022

Tunisianos protestaram neste domingo, (10) contra o presidente Kais Saied, acusando-o de impor o regime de um homem só no país do norte da África depois que ele dissolveu o Parlamento no mês passado.

A crise política no país se intensificou no mês passado, quando mais da metade dos membros do parlamento realizou uma sessão online para revogar os decretos de Saied.

“Estamos enfrentando uma ditadura fracassada que está levando o país a um desastre econômico. Continuaremos a protestar nas ruas até que um golpe seja forçado a reverter suas decisões”, disse Chaima Issa, activista.

Muitos membros do parlamento participaram do protesto no domingo, que ocorreu com uma forte presença da polícia anti-motim. Os manifestantes gritavam: “O povo quer derrubar o golpe”.

“Continuaremos resistindo ao golpe e não vamos recuar. Não vamos aceitar essa ditadura”, disse Samira Chaouchi, uma das duas vice-presidentes do parlamento.

Após a sessão online do mês passado, que Saied dissolveu, a polícia antiterrorismo convocou a principal figura da oposição Rached Ghannouchi e outros legisladores para interrogatório, provocando críticas tanto no exterior quanto em casa.

Ghannouchi, que é o presidente do parlamento e chefe do partido islâmico Ennahda, disse que outras sessões virtuais serão convocadas.

Uma delegação do Parlamento Europeu visitará a Tunísia na segunda-feira para pedir o retorno da democracia estabelecida após a revolução de 2011 que encerrou o governo autocrático do falecido presidente Zine El Abidine Ben Ali.

Saied, assumiu o poder executivo em meados do ano passado e tem governado por decreto, o que seus oponentes descrevem como golpe.

Ele rejeitou as acusações de seus oponentes e disse que manteria conversas sobre reformas políticas, mas que “traidores e ladrões” não participariam.

Saied disse anteriormente que formaria um comitê para reescrever a Constituição, colocá-la em um referendo em julho e realizar eleições parlamentares em dezembro.

Os dois principais partidos do país, Ennahda e Livre Constitucional, que se opõem amargamente, disseram que se oporão a esses planos.