Actualidade

Ministra do Ensino Superior reconhece necessidade de transformação do sector em África

armandomaquengo
Nov 24, 2023

 A ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de Angola, Maria do Rosário Bragança, reconheceu, esta quinta-feira, a necessidade de transformação urgente do sistema educativo africano, com vista a oferecer maior qualidade e competência na formação de quadros, em prol do desenvolvimento do continente.

Esta posição foi manifestada durante apresentação do tema “O processo de transformação dos sistemas educativo: Práticas inovadoras e financiamento no contexto africano”, na Bienal de Luanda, no sentido de acelerar os progressos para o alcance dos objectivos da Objectivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS-4) de 2030.

Segundo Maria do Rosário Bragança, para  que ocorra a educação voltada para a “Cultura da Paz”, é necessário que haja a transformação urgente do sistema de educação, um processo reconhecido pelos ministros da educação africanos e pela Unesco.

Para a ministra, embora os avanços verificados ao longo das últimas cinco décadas no acesso ao ensino, sobretudo de meninas e mulheres, registou-se uma deterioração da qualidade do ensino, por não se investir nos professores que são a força motriz no desenvolvimento da educação.

Esta situação, prosseguiu, agravou-se devido à grande explosão demográfica no continente, a pressão da juventude e a necessidade desta estar educada, bem como empoderada para que possa contribuir para a paz.

Assim sendo, defendeu a introdução no currículo dos sistemas educativos o tema “educação voltada para a cultura da paz”.

Defendeu que o currículo de formação genérica seja implementado desde o nível base até superior, correspondendo às reais necessidades de cada país, com a equidade bem clara, no sentido de proporcionar às pessoas o que precisam, bem como a sua inclusão e relevância.

Por sua vez, o comissário para Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação da União Africana, Mohamed Belhocine, disse estar de acordo com a ministra angolana sobre a transformação do sistema de educação, uma vez que África se encontra numa grande crise neste sector.

Mohamed Belhocine avançou que no continente, em particular abaixo do Sahara,  existem 98 milhões de crianças nos níveis primário e secundário fora do sistema de ensino, facto que poderá constituir uma ameaça para a sociedade, caso não se mude o sistema educativo.

“A educação é uma das responsabilidades primordiais dos governos, incluindo a questão do financiamento”, sublinhou.

Transformação digital em África

Quanto a transformação digital para tornar mais eficiente, bem como criar competência para maior inclusão e empregabilidade a nível do continente africano, o comissário para Educação, Ciência, Tecnologia e inovação da União Africana, Mohamed Belhocine, afirmou que a União africana é a instituição chave para a integração e desenvolvimento de África, com capacidade de conduzir iniciativas para exploração das tecnologias para a educação.

Considerou que a digitalização chegou recentemente no continente africano, mas já há Estado em ascensão na sua implementação.

Segundo Mohamed Belhocine, a União Africana tem trabalhado no sentido de levar aos cidadãos a literacia digital, com a criação de normas continentais, tendo já finalizado uma em matéria de qualificação para formação profissional.

Financiamento da educação

No que toca ao sistema de financiamento da educação, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de Angola, Maria do Rosário Bragança, referiu que ainda existem milhares de crianças fora do sistema de ensino e muita pressão dos jovens que precisam ser empoderados para o auto emprego.

Neste contexto, afirma que os países cada vez mais sentem dificuldades em assumir na plenitude os orçamentos para educação.

A ministra apontou alguns mecanismos que devem ser utilizados para contrapor essa situação, como a comparticipação do sector privado a nível nacional e internacional, sobretudo a responsabilidade social das empresas, partindo de um novo contrato social para educação, para não ser apenas o governo a desenvolver o sector da educação.

Sublinhou que, dos programas feitos com currículo de “Educação para Paz” em regiões após conflitos, verificou-se uma inadequada continuidade por não haver financiamento sustentável.

“É preciso lançar mãos a mecanismos de parcerias que existem, mesmo com suporte da própria Unesco”, disse.

A Bienal de Luanda contribui para a implementação do “Plano de Acção para uma Cultura de Paz em África”, adoptado em Março de 2013, em Luanda, Angola, no âmbito da campanha da União Africana “Act for Peace”.

Está em consonância com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 16 e 17 da Agenda 2030 das Nações Unidas, as sete implementação da Agenda 2063 da União Africana, “A África que Queremos”, bem como a iniciativa “Silenciar as Armas em África” até 2030.

A 3ª edição do Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz e Não-Violência – Bienal de Luanda decorre desta quarta-feira, sob o lema: “Educação, Cultura de Paz e Cidadania Africana como Ferramentas para o Desenvolvimento do Continente”.

O evento, que encerra esta sexta-feira, está a abordar em seis painéis os temas “Jovens, actores na promoção da cultura de paz e transformações sociais do continente/Diálogo de Alto Nível”, “Tecnologia e educação como ferramentas para alcançar a igualdade do género”, “O papel da mulher nos processos de paz, segurança e desenvolvimento” e “O processo de transformação dos sistemas educativos: práticas inovadoras e financiamento no contexto africano”.

“Os desafios e oportunidades da integração do continente africano e as perspectivas de crescimento económico”, “alterações climáticas, desafios éticos, impacto, adaptação e vulnerabilidade”.