Politica

MPLA propõe documento estratégico para o futuro

armandomaquengo
Ago 18, 2022

O MPLA propõe-se a elaborar no próximo mandato a Carta Desportiva como documento estratégico para o desenvolvimento nacional das actividades de lazer, recreativa e de alto rendimento, noticiou JA.

O anúncio feito, ontem, no Centro de Convenções de Belas, em Luanda, por Cruz Neto, membro daquela organização política, aos agentes do desporto nacional, com destaque a atletas, treinadores e dirigentes dos clubes 1º de Agosto, Petro de Luanda, Formiguinhas do Cazenga e associações comunitárias presentes.

A Carta vai responder às necessidades dos clubes e encaminhar a prática do desporto como um meio de socialização e de interacção entre as pessoas nas comunidades. O MPLA vê o desporto “não só como uma actividade de lazer, mas gerador de renda”.

As políticas a adoptar no próximo mandato determinarão a execução de seis domínios do manifesto eleitoral constantes dos setes eixos do programa de governação. O partido compreende que “o desenvolvimento tem a ver com as pessoas e é necessário um ambiente político para a execução dos programas”.

“O desporto ocupa hoje 50 por cento de audiência mundial, não só pela diversidade, mas pela qualidade e destreza; é uma actividade em que se deve apostar, também, pela dimensão de lazer e de alta competição”, explicou Cruz Neto.

O MPLA quer apostar na promoção e no desenvolvimento da indústria do desporto e os empresários são chamados a investir na criatividade. O Estado deverá assumir competências na promoção da educação física para a criação regular do desporto escolar e na criação de modelo de gestão de equipamentos desportivos. Assim, justifica-se “a importância da parceria público-privada”. A Carta Desportiva vai incidir no incentivo à prática desportiva e promover apoios aos novos talentos. O MPLA valoriza “a promoção do capital humano, por via da saúde, conhecimento e promoção do empreendedorismo”.

A massificação desportiva e a prática de exercícios físicos visam reforçar a capacidade de participação nos grandes eventos internacionais. A inserção de jovens ao empreendedorismo e à inovação deve passar nos meios juvenis. Para o efeito, propõe o MPLA, “essa franja sairá das escolas formadas em tecnologias e com técnicas e só assim se construirá o país”.

A inserção do atleta no qualificador do Ministério de Administração Pública, Trabalho e Segurança Social como profissão vem responder aos próximos desafios. O Regime Jurídico de Protecção Social Obrigatória vai garantir a criação de condições para eliminar as carências de antigos agentes desportivos.