Actualidade

Parques nacionais de África ameaçados pela seca e novos projectos

manuelsumbo
Ago 12, 2022

Os parques nacionais de África, que albergam milhares de espécies, incluindo leões, elefantes e búfalos, estão cada vez mais ameaçados pela baixa pluviosidade e por novos projectos de infraestruturas, alertam vários especialistas.

Em causa está a seca prolongada no leste do continente, exacerbada pelas alterações climáticas, assim como projectos de grande escala, nomeadamente petrolíferos e pecuários, noticia a agência Associated Press (AP).

Os parques ameaçados vão desde a África Oriental — nomeadamente os parques de Tsavo e Nairobi no Quénia – à África Austral – Mkomazi e Serengeti na Tanzânia, Quirimbas e Gorongosa em Moçambique ou Kruger na África do Sul -, e até à África Ocidental – Kahuzi Biega, Salonga e Virunga na República Democrática do Congo (RDCongo).

Além de protegerem espécies da flora e da fauna, estes parques também servem como sumidouros de carbono naturais, absorvendo dióxido de carbono e reduzindo os efeitos do aquecimento global.

Segundo Ken Mwathe, da organização ambientalista BirdLife International, estima-se que 38% das zonas de biodiversidade de África estejam sob ameaça severa devido às alterações climáticas e ao desenvolvimento de infraestruturas.

“As principais áreas de biodiversidade, especialmente em África, têm sido consideradas pelos investidores como inativas e prontas para o desenvolvimento”, disse Mwathe. “Os Governos alocam terras nessas áreas para desenvolvimento de infraestruturas”, acrescentou.

E exemplificou que “as linhas de alta tensão e outras infraestruturas de energia provocam colisões com aves devido à má visibilidade” e os números de aves “mortas desta forma não são baixos”.

Na tentativa de melhorar os padrões de vida e alcançar os objectivos de desenvolvimento sustentável, como o acesso a água potável o aumento do emprego ou o crescimento económico, os Governos africanos têm apostado em grandes projectos, muitos financiados por países estrangeiros, como a China, recorda a AP.

Para os conservacionistas, no entanto, substituir a vida selvagem por infraestruturas é o caminho errado para o crescimento económico.

“Temos de ter um futuro em que a vida selvagem não seja separada das pessoas”, disse Sam Shaba, da organização ecologista Fundação Honeyguide, na Tanzânia.

Atualmente, os conservacionistas consideram que uma abordagem mais inclusiva para administrar os parques e a experiência das comunidades indígenas que vivem ao redor dos parques pode ajudar a protegê-los, disse Ademola Ajagbe, da organização ecologista The Nature Conservancy.

Os especialistas alertam também para os efeitos das alterações climáticas nos parques nacionais.

Um estudo recente realizado no Parque Nacional Kruger relacionou os eventos meteorológicos extremos com a perda de animais e plantas, que não conseguem lidar com o calor extremo e a falta de água.

A seca ameaça seriamente espécies como rinocerontes, leões e elefantes e reduz a quantidade de alimentos disponível, disse Philip Wandera, ex-diretor do Serviço de Natureza do Quénia.