Politica

Presidente João Lourenço lança pedra para requalificação da vila da Muxima

armandomaquengo
Jul 19, 2022

A primeira pedra para a requalificação da vila da Muxima, município da Quissama, província de Luanda, que incluirá a construção do santuário, nos próximos três anos, foi lançada, esta terça-feira, pelo Presidente da República, João Lourenço.

O projecto de requalificação, conforme angop, contempla também a construção de um centro médico, administração local, Comando da Polícia Nacional, escola, centro comunitário, edifício do clero, área de loteamento para residências familiares e campo de campismo na Muxima, situada a 130 quilómetros da cidade de Luanda.

A ser implantado numa área de 90 hectares, 40 hectares dos quais nesta primeira fase, a requalificação da vila da Muxima inclui a edificação de infra-estruturas para áreas dos edifícios de habitação e comércio, estação de energia e de tratamento de água potável e residual.

O projecto terá ainda cerca de 114 mil metros quadrados de áreas de estrada, com uma largura média de 10 metros, e cerca de dez a 12 quilómetros de novas e recuperadas vias, estacionamento para três mil viaturas ligeiras e cerca de 50 mil metros quadrados paisagísticos.

O futuro Santuário da Nossa Senhora da Muxima, também designado por Basílica de Nossa Senhora da Muxima, a ser edificado numa área de 18 mil metros quadrados, terá capacidade para acomodar pelo menos  quatro mil e 600 pessoas sentadas, uma praça pública com capacidade de  200 mil devotos e outras cinco mil dentro do santuário.

O Presidente da República, João Lourenço, autorizou, por despachos, em 2018, a requalificação da vila e do santuário da Muxima, num orçamento total próximo dos 91 mil 620 milhões 393 mil e 916 kwanzas (um dólar vale nesta data 308,61 kwanzas).

O Santuário da Muxima é o maior centro de adoração de fiéis católicos em Angola, e acolhe, anualmente, uma peregrinação com centenas de milhares de cristãos dessa congregação.

Localizada à margem do rio Kwanza, no município luandense da Quissama, o local foi ocupado pelos portugueses em 1589 que, dez anos depois, construíram uma fortaleza e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, também conhecida como “Mamã Muxima”.