Politica

Retrato falado: o poder angolano de A a Z – Luísa Damião (58 anos)

armandomaquengo
Jun 03, 2022

Foi jornalista e administradora-executiva da Agência Angola Press (ANGOP).


Quando foi indicada vice-presidente do MPLA, no histórico congresso que pôs fim o longo reinado de José Eduardo dos Santos, poucos previam que João Lourenço fosse propor um nome desconhecido na cúpula dirigente para ser o seu ‘braço direito’.

Luísa Pedro Francisco Damião era, na altura, presidente do Grupo de Mulheres Parlamentares. O cargo mais elevado que, até então, tinha atingindo na estrutura partidária foi de secretária nacional para a Informação da OMA, o braço feminino do partido no poder.

Aos poucos, foi-se impondo, tendo sobrevivido há várias lutas internas nos dois últimos conclaves realizados na era pós-Eduardo dos Santos. Em 2019, um ano depois de assumir funções de vice-presidente, incompatibilizou-se com a diplomata Edith Lourenço Catraio, irmã de João Lourenço.

Conta Miguel Catraio, antigo vice-governador de Luanda e cunhado do Chefe de Estado, que Damião terá pedido um favor à cônsul de Angola em Nova Iorque, que tinha acabado de ser nomeada, para que tivesse no Consulado uma filha da vice-presidente do MPLA, acção rejeitada pela cônsul.

A mulher mais poderosa do ‘partido dos camaradas’ desvalorou a acusação. No congresso de Dezembro passado, era quase dado como certo o seu afastamento, mas Luísa Damião parece ser uma política de ‘sete vidas’.

Novo Jornal