Politica

Sistema de transferência de água do rio Cunene começa a funcionar em Abril

armandomaquengo
Mar 26, 2022

As populações de Ombala-yo-Mungo (Ombadja), Namacunde e Dombondola, na província do Cunene, começam a beneficiar das vantagens do sistema de transferência de água a partir da localidade de Cafu, no princípio de Abril deste ano, período previsto para a inauguração da infraestrutura, noticiou o Jornal de Angola.

A informação foi avançada, ontem, em Luanda, pelo vice-governador para o sector Político, Social e Económico daquela província, Apolo Ndinoulenga, durante a participação na terceira edição do Café promovido pelo Centro de Imprensa da Presidência da República de Angola (CIPRA), que abordou a questão da seca no Sul do país.

“O Cunene vai estar em festa”, vaticinou o governante, para quem o projecto vai, ainda, reduzir, de forma significativa, o processo de transumância nas zonas afectadas pela seca, bem como o regresso à escola de muitas crianças. “A expectativa é muito grande”, realçou.

O director do Instituto Nacional dos Recursos Hídricos do Ministério da Energia e Águas, Manuel Quintino, que está à frente do projecto, disse, na ocasião, que o mesmo tem como principais componentes uma estação de bombagem com capacidade para captar e bombear, numa primeira fase, dois metros cúbicos por segundo (dois mil litros), dispõe de uma tubagem pressurizada com uma extensão aproximada de dez quilómetros e um canal condutor com uma extensão de 47 quilómetros.

O canal Leste, que vai até Namacunde, prosseguiu, conta com uma extensão de quase 55 quilómetros e outro com dimensão aproximada que segue para Ndombondola. Para além dos canais, Manuel Quintino salientou que o projecto conta, ainda, com 30 chimpacas (reservatórios de água), 93 bebedouros para o gado e para as pessoas.

Orçado em 136 milhões de dólares, o sistema de transferência de água, a partir do rio Cunene, vai beneficiar, igualmente, cerca de 235 mil pessoas, 250 mil cabeças de gado e vai dispor de uma área de aproximadamente 5 mil hectares de terras para a prática da agricultura.

Este projecto está enquadrado nas obras estruturantes de combate aos efeitos da seca no Sul do país e faz parte de um leque de três, aprovados para a província do Cunene.

A empreitada, iniciada em 2019, está a cargo da construtora Sinohydro Corporation Limitada, Sucursal em Angola. De acordo com dados do Serviço Provincial de Protecção Civil e Bombeiros, Cunene tem 102 970 famílias afectadas pela seca e fome, o que perfaz 514 800 pessoas. Curoca, Cahama e Ombadja são os municípios da província mais afectados.

A terceira edição do Café CIPRA abordou os “projectos de grande impacto social no Sul de Angola”, de modo a informar a sociedade sobre o real estado de execução dos mesmos. Foram facilitadores desta edição, que contou com a presença de várias figuras da sociedade civil, o secretário de Estado das Obras Públicas, Carlos dos Santos, o director do Instituto Nacional dos Recursos Hídricos do Ministério da Energia e Águas, Manuel Quintino, e o vice-governador para o sector Político, Social e Económico do Cunene, Apolo Ndinoulenga.