Actualidade

Tazz da Costa é arguido em processos por associação criminosa e falsificação de documentos

armandomaquengo
Ago 09, 2022

A Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu, em comunicado, uma recente notícia de uma alegada prisão ilegal do empresário angolano, Tazz Cambundo da Costa, dando a sua versão dos factos e que contrariam o que inicialmente foi divulgado por alguns órgãos sociais.

De acordo com o comunicado da PGR, Tazz Cambundo da Costa é arguido em dois processo-crime e acusado de associação criminosa, falsificação de documentos, ameaças e danos materiais avaliados em mais de 40 milhões de kwanzas.

No entanto, explica o comunicado, e depois de ter tido conhecimento da notícia através das plataformas digitais e “pela gravidade da denúncia, foi orientada a Inspecção-Geral do Ministério Público para uma averiguação sumária dos factos”.

E a investigação concluiu, e depois de ouvida a magistrada do Ministério Público, Tânia Leite de Faria, que devido à falta de comparência a actos processuais, foi ordenada a detenção de Tazz Cambundo da Costa e na sequência do interrogatório “constatou-se do perigo de continuação da actividade criminosa e perturbação da instrução do processo, sendo-lhe aplicada a medida de prisão preventiva”, podemos ler no relatório.

“Entretanto, e por motivos de saúde, devidamente comprovados, a referida magistrada substituiu a prisão preventiva, impondo a obrigação da prestação de caução, no valor de 120 mil kwanzas”, prossegue o comunicado que diz que durante os interrogatórios o arguido esteve sempre acompanhado pelos seus advogados.

Mais se diz no comunicado: “Note-se que não é a primeira vez que o cidadão em causa promove calúnias contra magistrados quando é constituído arguido, recorrendo sempre aos órgãos de comunicação social e às redes sociais”.

Entretanto, a PGR e “pela denúncia, manifestamente caluniosa e difamatória” ordenou a instauração de um procedimento criminal que tramita junto do Serviço de Investigação criminal.

CM